Logos Editoras (2).png

Contato: editora@ufpr.br

A Editora da Universidade Federal do Paraná foi criada em 24 de março de 1987 e é vinculada à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura. Sua principal função é apresentar à sociedade, sob a forma de livros, o conhecimento científico e cultural produzido pela UFPR. Além disso, a Editora cumpre seu papel de interação com a sociedade publicando também os textos produzidos fora dos muros da Instituição, reconhecendo e incorporando o conhecimento de qualidade gerado por outros segmentos.

Além de transformar pesquisas em livros, a Editora UFPR procura fazer a ligação entre o conhecimento acadêmico produzido e a sociedade participando de feiras, congressos e outros eventos, distribuindo seus livros pelo Brasil inteiro.

 
89195684-cdab-4b1b-9daf-eb164e2953b0Capa_Sérgio_Buarque_de_Holanda_W250.jpg

SERGIO BUARQUE DE HOLANDA: ESCRITA DE SI E MEMORIA (1969 - 1986)

Raphael Guilherme de Carvalho
De R$ 52,00 Por R$ 31,20

“Este livro de Raphael Guilherme de Carvalho toma por objeto o processo de construção do lugar do historiador Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) na história da historiografia brasileira. O autor tem o mérito de articular uma abordagem interna – a análise dos textos do historiador em primeira pessoa sobre as práticas do ofício – com as evoluções do contexto do tempo presente brasileiro que balizam sua pesquisa, entre ditadura e redemocratização. O trabalho se inscreve no interesse recente que dirigimos à escrita de si dos historiadores, às suas capacidades autorreflexivas, dimensão essencial da nova reflexão historiográfica, como tematizou Pierre Nora em 1987 com a publicação dos Essais d'ego-histoire.” François Dosse “No caso do arquivo de Sérgio Buarque, não deixa de ser notável o fato de que, por sobre a escrivaninha, com a máquina de escrever e as estátuas dos prêmios Jabuti e Juca Pato – índices da monumentalização –, há uma estante com espaço para novos textos de investigadores que pesquisam a partir da documentação do arquivo, e que, em menor ou maior grau, podem produzir novas leituras dos textos de Sérgio Buarque de Holanda. Preencher essa prateleira e alterar o arquivo Sérgio Buarque de Holanda foi a operação historiográfica realizada por Raphael. A história da historiografia, o pensamento social no Brasil, a história do Brasil e os estudiosos de Sérgio Buarque de Holanda ganham e também se alteram com Sérgio Buarque de Holanda: escrita de si e memória.” Robert Wegner Prêmio Capes de Teses 2018 Menção Honrosa

 
d109a94a-2d99-4e66-aaab-90eead17745eCapa_Edição_de_diálogos_no_cinema_W250.jpg

EDIÇÃO DE DIÁLOGOS NO CINEMA: A FALA CINEMATOGRÁFICA COMO UM ELEMENTO SONORO

Debora Opolski
De R$ 50,00 Por R$ 30,00

Edição de diálogos no cinema é a segunda obra publicada pela Coleção Sonoridades do Audiovisual. Mais do que um manual que ensina a prática da edição de diálogos, o livro traz a questão da sonoridade da voz para o centro da discussão. Dividido em quatro capítulos, explica a produção da fala, avança nesse debate resgatando a história da voz falada no cinema, trata ainda da estrutura do diálogo cinematográfico e encerra com estudos a respeito da fala, ancorados a partir de análises espectrais. Este projeto foi idealizado como um convite a uma audição mais atenta à questão das sonoridades das falas dos personagens, tanto do ponto de vista do editor quanto do espectador.

 
545b333e-e201-4efa-a210-66103ce71c35Capa_Descolonizando_metodologias_W250.jpg

DESCOLONIZANDO METODOLOGIAS: PESQUISA E POVOS INDÍGENAS

LINDA TUHIWAI SMITH
De R$ 55,00 Por R$ 33,00

Este é um livro que tenta fazer algo mais do que apenas desconstruir o conhecimento científico ocidental, recontando nossa história ou compartilhando relatos de horror dos povos indígenas a respeito das pesquisas científicas. Tais práticas fornecem palavras, possíveis insights, que explicam certas experiências - mas não livram ninguém da morte. Na primeira parte da obra, a autora analisa criticamente as bases históricas e filosóficas da pesquisa ocidental. Expandindo a obra de Foucault, Smith explora as interseções entre o imperialismo, o conhecimento e a pesquisa, e apresenta uma história do saber desde o Iluminismo até o pós-colonialismo. A segunda parte do livro dedica-se a tratar de alguns dos problemas que atualmente são debatidos pelas comunidades indígenas, os quais se referem às nossas prioridades e problemas. Prioridades que ainda têm sido articuladas e elaboradas em um contexto de resistência a novas formas de colonização e que exigem a compreensão dos modos de formular perguntas e de buscar respostas para as nossas próprias preocupações. Em outras palavras, a pesquisa não é um exercício acadêmico inocente ou distante, mas uma atividade que tem algo em jogo, subsidiada por um conjunto de condições políticas e sociais.

 
dfdd3c52-0105-4628-ae03-ab334c546882Capa_O_equinocio_dos_sabias_site_(2)_W250.jpg

O EQUINÓCIO DOS SABIÁS: AVENTURA CIENTÍFICA NO SEU JARDIM TROPICAL

MARCOS RODRIGUES
De R$ 30,00 Por R$ 18,00

O início da primavera é o ponto de partida para uma viagem pelo jardim tropical, descrito neste livro através de seu ciclo de vida, suas plantas e animais mais comuns e das relações entre eles: raposas-voadoras, gibões, papagaios, cigarras, gaivotas, corvos, árvores mortas, cupins, tempestades, cães caçadores, flores brancas de cactos, morcegos, beija-flores e dinossauros vem ao meu jardim e contam suas histórias, que nos levam aos confins do mundo. Vamos à África, à Suíça, ao Mar do Norte, ao Mississípi e à Nova Zelândia para mostrar o que é um jardim tropical. A vida e suas interações estão diante de nossos olhos, mesmo que o jardim seja o simples vaso de violetas encostado num canto qualquer de um apartamento.

 
ee62a857-ad0f-49e9-8ef5-8ff455ef700aCapa_A_gestão_das_paixões_políticas_W250.jpg

A GESTÃO DAS PAIXÕES POLÍTICAS

PIERRE ANSART
De R$ 40,00 Por R$ 24,00

Toda a sutil escala de sentimentos e emoções, do júbilo à angústia, do amor ao ódio, pode ser encontrada em nossa experiência política e, da mesma forma, todas as intensidades do desejo, da exaltação à indiferença. […] Os meios de persuasão emocional são, em primeiro lugar, os discursos, falados ou escritos, difundidos pela mídia audiovisual, e as publicações. Comumente, é através da linguagem, das palavras e das figuras de estilo que o homem político transmite suas mensagens estimulantes, suas indignações e seus apelos de apoio. […] Percebe-se rapidamente que as mensagens, discursivas e iconográficas, não são tão arbitrárias como parecem, que elas obedecem a normas explícitas e implícitas que nos importa analisar. […] Nesse campo, as análises de Freud e os desenvolvimentos da psicanálise […] são indispensáveis. Sem esse aporte, não se poderia compreender a dimensão propriamente afetiva do político, compreender por que a simples audição de uma mensagem política, sua mera leitura provocam a zombaria, o riso ou a empatia. Não se poderia compreender por que, para além dos juízos e avaliações racionalizadas, tal mensagem e tal cartaz suscitam nossa emoção com toda a força e evidência de uma resposta íntima e aparentemente inevitável. Pierre Ansart

 
5ef5a576-4e73-4903-86cc-2451e046ca4fCapa_Imaginação_como_presença_W250.jpg

IMAGINAÇÃO COMO PRESENÇA: O CORPO E SEUS AFETOS NA EXPERIÊNCIA LITERÁRIA

LIGIA GONCALVES DINIZ
De R$ 60,00 Por R$ 36,00

"Se a poesia é o escândalo da linguagem, à prosa de ficção cabe o encargo de fazer sentido. As duas disparam, porém, efeitos de presença, pelo potencial de ativar nossa imaginação. A imaginação: essa dimensão da consciência em que se dão experiências sensoriais e emocionais, mesmo sem estímulos materiais imediatos. É da imaginação que irrompe a energia afetiva latente nos textos literários, que redimensiona a força representacional da literatura, modificando nossa experiência subjetiva do mundo. Ligia Gonçalves Diniz “O que resta, então, a mim dizer? Talvez que eu o leia como um livro oportuno – e não apenas por sua sincronia com a vanguarda dos debates atuais. Imaginação como presença, na verdade, os transcende e se transforma em uma promessa para o que a crítica literária poderia – e provavelmente deveria – tornar-se o futuro. [...]Ligia aponta e descreve uma função provavelmente tanto elementar quanto duradoura para o que chamamos de ‘leitura literária’, uma função que nenhum outro pensador antes dela havia intuído e analisado em sua complexidade intrínseca”. Hans Ulrich Gumbrecht "

 
ea762aaf-09fb-4124-94e7-f19a97e42074Capa_Legado_democratico_e_apoio_a_democracia_W250.jpg

LEGADO DEMOCRÁTICO E APOIO À DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA: EVIDÊNCIAS E MECANISMOS EXPLICATIVOS

GABRIEL AVILA CASALECCHI
De R$ 40,00 Por R$ 24,00

“(…) minha intenção é que este estudo não seja de forma alguma um ponto final, mas sim um estímulo a novas pesquisas que compartilhem do mesmo objetivo: entender por que algumas pessoas apoiam a democracia, enquanto outras não. Apesar de simples, penso que essa é uma questão que está no coração da Ciência Política e, por que não, das nossas vidas como cidadãos. A democracia é hoje uma palavra defendida aos quatro cantos, por cidadãos e por políticos. E justamente por ter se tornado tão “universal”, é de extrema importância estudá-la em seus meandros”.

 
66d1876a-7709-47a8-8130-f17e198c47a7Capa_Religião_e_pluralidade_W250.jpg

RELIGIÃO E PLURALIDADE NO IMPÉRIO ROMANO:UM DEBATE NECESSÁRIO

Garraffoni, Renata S., Woolf, Greg
De R$ 32,00 Por R$ 19,20

Em 2011, Greg Woolf esteve na Universidade Estadual de Campinas para uma série de palestras, com apoio Capes e em parceria com o Departamento de História da Universidade Federal do Paraná. As discussões empreendidas na ocasião foram frutíferas e, a partir delas, surgiu a ideia deste livro: uma seleção de textos de Woolf, traduzidos pela primeira vez para o português. Os textos aqui reunidos tratam da pluralidade da experiência religiosa no contexto romano, além de debater as principais abordagens teóricas presentes na histografia sobre o Mediterrâneo antigo. Adotando o viés da diversidade, Woolf apresenta meios para compreender como grupos diferentes, alguns originados de diásporas étnicas, outros conectados por cultos ou posições filosóficas comuns, encontraram-se no contexto romano e criaram condições para que determinadas percepções de mundo fossem construídas. Um panorama instigante para todos e todas que se interessam pela diversidade das percepções religiosas na Antiguidade Clássica e suas heranças na posteridade.

 
34c9e285-f25a-45af-9895-2cd39c49a948Capa_Direito_animal_(1)_W250.jpg

DIREITO ANIMAL: INTERLOCUÇÕES COM OUTROS CAMPOS DO SABER JURÍDICO

Vicente de Paula Junior Ataide
De R$ 45,00 Por R$ 27,00

"Trata-se de um livro cujos desdobramentos do tema acerca do Direito Animal possibilitam ao leitor um conjunto de conhecimentos, tantos teóricos quanto aplicados, para o enfrentamento dos casos que se apresentam, exigem tomada de decisão e, para os quais, as respostas do direito brasileiro ainda são tímidas. Ou seja, o seminário organizado e este livro que dele resulta significam uma contribuição valiosa e inovadora para a consolidação de uma área de ensino, pesquisa e extensão e para orientar a reflexão e a aplicação do direito. Isto, pois, as questões envolvendo Direito Animal têm, em sua maioria, recebido um tratamento anacrônico pelas instituições acadêmicas e o sistema de justiça. Pois bem, este livro atualiza, revigora e dá à disciplina sua merecida autonomia e dignidade". Professora Drª Vera Karam de Chueri, Diretora da Faculdade de Direito da UFPR (2016-2020)

 
a32aff7c-a106-45c1-93e8-9a3380f92832Capa_O_Presidente_W250.jpg

O PRESIDENTE

THOMAS BERNHARD
De R$ 40,00 Por R$ 24,00

"O que uma peça escrita nos anos 1970 numa distante Áustria pode dizer sobre o país de cá e de agora? A princípio, nada, e o que podemos pensa. Será Nesta peça até hoje inédita no Brasil o escritor austríaco Thomas Bernhard nos proporciona uma visão privilegiada dos bastidores da vida oficial de um presidente e sua amante, uma primeira-dama de nariz empinado e seu capelão conselheiro. Desafiando os limites entre trágico e cômico, as fronteiras se apagam. Para além do teatro, as divisões entre passado e presente e até mesmo entre Brasil e Áustria se confundem. "

 
d737250d-3f27-45e0-8a47-7da37289478bCapa_Os_gramáticos_latinos_W250.jpg

GRAMÁTICOS LATINOS, OS: VARRÃO, QUINTILIANO, DONATO E PRISCIANO

Fábio Fortes e Julia Burghini
De R$ 35,00 Por R$ 21,00

Pelo menos desde o final da Idade Média e a consolidação das línguas nacionais, o modelo gramatical greco-latino foi a base para a constituição das gramáticas das línguas modernas, inclusive de línguas não europeias, como o tupi-guarani. Isso ilustra a extensão, a complexidade e a riqueza do campo quando nos referimos à gramática antiga. Com o objetivo de compreender as fontes latinas desse gênero, esta obra busca oferecer um panorama geral, com ênfase nos elementos teóricos e históricos da ars grammatica e em sua aplicação no contexto educacional romano. Além disso, propõe-se neste livro uma introdução ao pensamento e à obra dos mais importantes gramáticos latinos: Varrão, Quintiliano, Donato e Prisciano, perfazendo, assim, um arco temporal que vai do século I a.C. – com a obra de Varrão, o De lingua Latina – ao século VI d.C. – com a obra de Prisciano, as Institutiones grammaticae.

 
36d53a9b-d07d-42d0-b3b3-d2994ac47b05Tiestes_capa_W250.jpg

TIESTES

LUCIO ANEU SENECA
De R$ 45,00 Por R$ 27,00

José Eduardo dos Santos Lohner apresenta aqui em língua portuguesa a primeira tradução integral em verso da tragédia Tiestes. Atribuída ao filósofo, satirista e epistológrafo latino Lúcio Aneu Sêneca (4-65 d.C.), Tiestes é também a única composição completa que nos chegou da Antiguidade sobre o mítico conflito entre Pelópidas, isto é, os filhos de Pelóps: Atreu e Tiestes. Rivais em disputa pelo poder de Micenas, os irmãos tornam-se inimigos, inimizade que envolve adultério na própria família, traição e terrível vingança. O conflito entre Atreu e Tiestes, a exemplo do que ocorre em outras narrativas míticas célebres (a de Édipo e a de Antígona), é a um tempo político e familiar, o que bem mostra o apreço pela narrativa, tratada, entre outros, por Sófocles e Eurípedes em Atenas no século V e por Quinto ênio (239 - c.-169 a.C.) e Lúcio àcio (c.170 - c 90 a.C.) em Roma. A tradução é em verso: melhor é dizer que Tiestes, traduzida por José Eduardo dos Santos Lohner, é em versos, pois nesta edição bílingue ele manteve em bem lavrados versos portugueses a variedade métrica dos versos latinos, com o que preserva a variação rítmica, que é um dos principais fatores do caráter espetacular de toda tragédia, e nos faz lembrar que, sendo tragédia, não deixa de ser poesia. Lohner apresenta ainda nada menos do que quatro estudos, cujos temas (mito de Pelópidas, tragédia de Sêneca, transmissão do corpus trágico e outros tradutores de Sêneca em verso) esgotam o que, a interessados e especialistas, importa de imediato conhecer. A tragédia, como ocorre muitas vezes, é terrível, tão terrível quão edificante: "Onde não há pudor, respeito à lei, decoro, afeto, lealdade, tudo é instável". É também atual. João Angelo Oliva Neto. COLEÇÃO DRAMAS & POÉTICAS A Editora da UFPR deseja aproximar do leitor brasileiro um repertório nacional e estrangeiro, tanto de textos teatrais, quanto de escritas “poéticas”. Isto é, textos que proponham uma problematização sobre a criação poética e a expressão literária. Trata-se de oferecer um conjunto de reflexões e pensamentos que problematizem, desde a Antiguidade até a atualidade, a arte da composição narrativa pela palavra, escrita criativa, dramática e romanesca, em prosa e verso. A Coleção Dramas&Poéticas prioriza textos estrangeiros e brasileiros inéditos ou de pouca ou nenhuma circulação entre nós. A edição de cada texto é acompanhada de prefácio e posfácio, à guisa de comentários, alusivos ao trabalho do autor, do pensamento tradutológico, colocando a obra ao alcance de um público tanto universitário como também iniciante.